quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Remédio para Emagrecer. Você realmente precisa??

Um comprimido de manhã, outro à noite e a vontade de devorar um pacote inteirinho de biscoito some como num passe de mágica.

A imagem “http://innforma.files.wordpress.com/2008/06/remedios.jpg” contém erros e não pode ser exibida.Tem coisa melhor para quem vive de mal com o espelho?É por isso que os inibidores de apetite são tão tentadores. Mas, antes de apostar nessas pílulas tidas como milagrosas, vale saber os riscos que se corre.Entre eles, há o perigo de engordar os quilos que perdeu e ganhar outros tantos

Quem não tem uma amiga que já tomou remédio para emagrecer, uma conhecida que indicou um médico que receita uma fórmula tiro e queda para perder alguns quilinhos ou, talvez, você mesma já tenha engolido comprimidos para dar um empurrãozinho na dieta.

Segundo um relatório das Nações Unidas (ONU) divulgado recentemente, o Brasil é o país que tem o maior consumo de anfetaminas (substâncias que tiram o apetite) do mundo!

E tem mais: outro estudo, esse do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), mostrou que 92% dos consumidores de medicamentos à base de anfetaminas são, sim, mulheres e que a maior parte delas apelou para esse recurso apesar de estar apenas uns 5 ou 6 quilos acima do peso ideal.
Isso significa que o uso de remédios para emagrecer está associado à questão estética e não à saúde, afirma Elisaldo Carlini, diretor da instituição, que é ligada à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).


Você realmente precisa?

Noradrenalina, esse é o nome da mágica.
Um hormônio que age no centro da fome, lá no cérebro, controlando o apetite.

E as anfetaminas cuidam dessa tarefa, aumentando a quantidade desse hormônio no seu corpo.
Anfepramona, fenproporex e manzidol compõem a família dessa substância química, que ganhou fama por combater a obesidade controlando a gula.

O problema é que junto com um apetite magrinho vem uma lista extensa de reações desagradáveis boca seca, alterações de humor, dor de cabeça, insônia, taquicardia, euforia, falta de ar, hipertensão, irritação, dependência (quanto mais você toma, mais precisa), prisão de ventre, depressão, crises de ansiedade e pânico, como adverte Elisaldo Carlini, do Cebrid.

Pois é, nada inofensivas, as anfetaminas só deveriam ser indicadas para pacientes com índice de massa corpórea (IMC) maior de 30 ou aqueles com IMC entre 26 e 30 com histórico de colesterol alto, pressão alta ou diabetes. Uma garota que mede 1,65 metro e pesa 70 quilos gordinha para entrar numa calça tamanho 40 tem IMC igual a 26.
O remédio é importante para casos em que a saúde pode ficar comprometida por conta do excesso de peso, ressalta Claudia Cozer, endocrinologista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), em São Paulo.
Pense bem se vale a pena se seu problema não passa de 10 quilos.

A imagem “http://imagem.vilamulher.com.br/temp/boca-seca-110208.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Emagrece, sim; mas você pode engordar de novo Mau hálito, tremedeira, insônia, além dos efeitos citados acima você arriscaria passar por tudo isso em troca de um corpo enxuto?

Se esses argumentos não convencem, anote aí mais um: ao parar de ingerir as pílulas, grande parte das garotas que escolheram o caminho dos remédios recuperou os quilos perdidos.
E não é só isso, o ponteiro da balança subiu mais do que antes.

Confiar a sua transformação a um medicamento quase sempre acaba em frustração.
Quem recorre aos remédios sem mudar seu estilo de vida, ou seja, adotar uma alimentação equilibrada e dar um basta no sedentarismo, fica à mercê do efeito sanfona, pior, do efeito espiral, já que o ganho de peso é ainda maior, adverte Henrique Suplicy, presidente da Abeso.

A imagem “http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2008/06/20_280-matt-damon.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Táki Cordás, psiquiatra do Ambulatório de Anorexia e Bulimia do Hospital das Clínicas, também em São Paulo, explica: Quando você suspende a droga, o apetite aumenta.
Sem falar que o emagrece-e-engorda não rende apenas estrias e flacidez na pele, mas pode provocar também problemas para o seu coração.
As grandes oscilações no peso são mais nocivas à saúde do que um pequeno excesso de gordura, avisa Alfredo Halpern, do Ambulatório da Síndrome Metabólica e Diabetes do Hospital da Clínicas de São Paulo.

A imagem “http://www.maputo.co.mz/var/ezwebin_site/storage/images/mulher/moda_beleza/saiba_como_os_remedios_para_emagrecer_actuam_no_organismo/120149-1-por-MZ/saiba_como_os_remedios_para_emagrecer_actuam_no_organismo_medium.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Sejamos francos: colocar todas as suas esperanças de conquistar um contorno mais sexy nessas pílulas é plantar seu próprio desapontamento.
A magia pode durar pouco.
E, normalmente, quem opta por esse caminho sai enfraquecida, com a auto-estima abalada para encarar mais uma vez o difícil processo de emagrecimento (isso ninguém quer, niguém merece!).
A gente aposta que estas três atitudes acreditar em você mesma, comer direito e malhar continuam sendo a melhor saída para o seu visual e para a sua saúde.

O que tem nas farmácias


ANFETAMINAS
Essa família inclui três principais substâncias vendidas por vários laboratórios farmacêuticos: anfepramona (Hipofagim, Inibex e Dualid), fenproporex (DesobesiM, Inobesin, Lipomax) e mazindol (AbstenPlus, Diazinil, Dobesix). Agem no centro da fome, controlando o apetite, e são indicadas para obesos que não conseguiram emagrecer com dieta e exercício. A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), que aprova e veta os medicamentos, considera os derivados de anfetamina uma opção terapêutica apenas mediante acompanhamento médico constante.


SIBUTRAMINA
Considerada mais moderna que a anfetamina, a sibutramina aumenta a saciedade, ou seja, você se satisfaz com menos comida. Funciona como se acionasse um botão no cérebro para reduzir a compulsão alimentar. Também produz alguns efeitos colaterais dor de cabeça, insônia, boca seca, agitação. Nas farmácias, Reductil e Plenty são os dois nomes mais conhecidos.


ORLISTAT
Diferentemente dos dois citados acima, essa substância não age no sistema nervoso e sim no intestino, fazendo com que o organismo absorva apenas 30% das gorduras ingeridas. Comercializado pelo nome Xenical, sua vantagem é não causar dependência. Entretanto, pode provocar crises de diarréia se a pessoa consumir grande volume de alimentos gordurosos. É indicado para mulheres que não podem usar os inibidores de apetite por algum motivo de saúde ou que não sofrem para controlar a vontade de comer.




fórmulas manipuladas: receita perigosa Elas são as mais procuradas por quem quer se livrar rapidamente dos quilos extras. Você pede ao doutor, ele prescreve uma receita para emagrecer e pronto não demora mais de 15 minutos e está resolvido. Trata-se de um pacto entre médico e paciente. Ele dá o remédio sem pedir nenhum exame e ela, em contrapartida, não se queixa dos efeitos colaterais, alerta Elisaldo Carlini, diretor do Cebrid.


Assim como os comprados em farmácias, os medicamentos manipulados têm, sim, o seu valor quando bem indicados e tomados sob constante supervisão do médico.
O perigo das fórmulas emagrecedoras está em associar a anfetamina a qualquer outra substância uma prática condenada pelo Conselho Federal de Medicina.

Mais grave ainda quando o próprio médico vende o remédio no consultório.
É comum colocar no mesmo comprimido laxante, diurético, ansiolítico e hormônios da tiróide um coquetel extremamente perigoso para a saúde, censura Elisaldo Carlini.
As fórmulas prontas são uma charlatanice.
Dão a impressão que emagrecem por causa do laxante e do diurético.

Mas você perde água, desidrata, só que não queima um único grama de gordura.
E ainda se arrisca a ter uma disfunção na tiróide, conclui Alfredo Halpern.

As brasileiras são adeptas do remédio

A pesquisa realizada pelo Cebrid, em São Paulo e Brasília, em 2002, revelou que:


  • 50% usam fórmula manipulada à base de derivados de anfetaminas com mais de quatro substâncias associadas prática condenada pelo Conselho Federal de Medicina
  • 60% tinham IMC menor que 30, classificação para sobrepeso e não obesidade
  • 69,6% das paulistas tomaram o remédio por mais de três meses (mais que o tempo recomendado pelos médicos)
  • 72% das entrevistadas já tinham se submetido a outros tratamentos à base de medicamentos
  • 97,5% contaram que tiveram vários efeitos colaterais

3 comentários:

Vânia Almeida disse...

Olá Criss, como vai?
Obrigada pelas visitam no cuidando do corpo e pela confiança m nosso blog.
Gostei muito daqui, bem informativo, linguagem clara e matérias interessantes.
Me tira uma dúvida, malho em uma cademia expressa, não sou muito expert em musculção, mas lá o pessoal malha sempre todos os grupos musculares na musculçao e nas aulas de localizda eles alternam, sendo umam dia MMII e outor dia MMSS. Qual o procedimento correto, fazer todos os dias todo grupamento muscular na musculaçao e alternar na localizada? Ou sempre alternar tanto na musculçao como na localizada?

Abraços
Vânia

prof_criss disse...

Essa dúvida é muito comum, quando iniciamos a prática de musculação.
O programa a ser seguido depende de seus objetivos individuais, trabalhar MMII alternando MMSS visa descansar o grupo muscular utilizado, normalmente a carga utilizada é um pouco mais alta e visa hipertrofia (aumento tônus e enrijecimento), assim você melhora a resposta fisiológica e evita a fadiga e consequente lesões.
Quando o programa joga todos os grupos musculares num só dia o objetivo maior é condicionamento físico geral ou diminuir volume corporal (ou seja emagrecer), atualmente esse trabalho é comum em forma de circuito.

Omar Ombre disse...

Caramba, muito interessante sua matéria, fiquei de boca aberta aqui ao saber.
Eu mesmo estou tomando um remédio para emagrecer mas estou achando que vou focar mesmo é na alimentação e nos exercícios.
Na minha página eu conto a respeito dos remédios e como eles atuam no corpo, acho que vale a pena dar uma olhada.

Qual seu objetivo com a prática da musculação?